Franquias de turismo funcionam até em casa e custam a partir de R$ 5.400.

November 7, 2016

 

Franquias de agências de viagem que trabalham em esquema home office (em casa), em salas comerciais ou em pequenas lojas chamam a atenção pelo baixo investimento inicial. Há opções a partir de R$ 5.400, caso da Ahoba Viagens. No entanto, é importante que o franqueado tenha talento para vendas e uma boa rede de contatos, segundo fontes do ramo ouvidas pelo UOL.

Veja abaixo os dados de quatro microfranquias de turismo, fornecidos pelas empresas:

Ahoba Viagens (em casa)

• investimento inicial a partir de R$ 5.400 (custos de instalação + taxa de franquia + capital de giro)
• faturamento médio mensal de R$ 30 mil
• lucro médio mensal de R$ 3.000
• retorno do investimento em até 12 meses

 

Flyworld (em casa)

• investimento inicial a partir de R$ 17,8 mil (custos de instalação + taxa de franquia + capital de giro)
• faturamento médio mensal a partir de R$ 30 mil
• lucro médio mensal a partir de R$ 3.600
• retorno do investimento em até 12 meses

 

CVC (loja)
• investimento inicial a partir de R$ 45 mil (custos de instalação + capital de giro; não cobra taxa de franquia)
• faturamento médio mensal não informado
• lucro médio mensal de 5% a 12% do faturamento
• retorno do investimento a partir de 24 meses

 

Global Study (sala em prédio comercial)
•  investimento inicial a partir de R$ 90 mil (custos de instalação + taxa de franquia + capital de giro)
• faturamento médio mensal de R$ 120 mil
• lucro médio mensal de R$ 21,6 mil
• retorno do investimento entre 12 e 18 meses


Paulo Atencia, 56, fundador da Flyworld Viagens, diz que é possível para um leigo investir na área, pois a franquia oferece treinamentos para que ele entenda como funciona o mercado do turismo.

O trabalho na franquia em casa exige basicamente um computador e um telefone, diz ele. Porém, o franqueado precisa ser comunicativo e bem relacionado para buscar vendas em sua rede de contatos.

"É necessário ter espírito empreendedor, dedicar-se ao trabalho e gostar do segmento. Recomendamos também que o franqueado participe de eventos do setor para conhecer pessoas do mercado", declara.

Viagem é gasto supérfluo na crise


A consultora especializada em franquias Ana Vecchi, da Vecchi Ancona, diz que não basta ter uma extensa rede de contatos. É necessário avaliar se são pessoas que consomem pacotes turísticos, especialmente em tempos de crise, em que gastos supérfluos são cortados.

"Hoje, as pessoas estão trocando os pacotes turísticos por viagem à casa de parentes, por exemplo, para economizar."

Ela recomenda que o candidato à franquia avalie os treinamentos e o suporte oferecidos ao franqueado, o sistema utilizado pela agência para venda dos pacotes, a carteira de clientes já atendidos, quais são as empresas parceiras e pesquise se há queixas de clientes e parceiros em sites de defesa do consumidor, além de conversar com outros franqueados da rede.

 

por Larissa Coldibeli

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Categorias

Please reload

Newsletter

Redes Sociais

  • Facebook
  • Linkedin
  • Youtube
  • Instagram

Posts Recentes

Please reload

Copyright © 2018 Ancona Consultoria. Todos os direitos reservados.
  • White LinkedIn Icon
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon